terça-feira, 27 de agosto de 2013

Primeiro Motivo da Rosa

Vejo-te em seda e nácar, e tão de orvalho trêmula, que penso ver, efêmera, toda a Beleza em lágrimas por ser bela e ser frágil. Meus olhos te ofereço: espelho para face que terás, no meu verso, quando, depois que passes, jamais ninguém te esqueça. Então, de seda e nácar, toda de orvalho trêmula, serás eterna. E efêmero o rosto meu, nas lágrimas do teu orvalho... E frágil.

Cecília Meireles

9 comentários:

  1. Lúcia

    Texto filosófico de Cecília Meireles é sempre de ter em conta.
    Beijos

    ResponderExcluir
  2. Frágil como uma rosa,
    belo como uma rosa!

    Beijinhos!

    ResponderExcluir
  3. Um texto muito interessante !

    ResponderExcluir
  4. Bem lindo ler e sentir a poesia de Cecília Meireles.
    bjinsss

    ResponderExcluir